Campo Grande-MS, 15 de novembro de 2018 Campo Grande-MS, 15 de novembro de 2018

COMPROMISSO AMBIENTAL, PANTANAL, RESERVA DA BIOSFERA

Campo Grande (MS) – Os membros do Comitê Estadual da Reserva da Biosfera do Pantanal, em reunião ordinária realizada nesta segunda-feira (26) no auditório Shirley Palmeira do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul), decidiram ampliar o debate sobre a importância do título e quais os mecanismos de gestão apropriados para a realidade local, antes de quaisquer outros passos. “Se for preciso vamos a cada município, a cada comunidade tradicional, para explicar o que é a Reserva da Biosfera, colher sugestões, ouvir as preocupações, e só depois disso discutir o modelo ideal para atender os anseios de todos”, disse o secretário adjunto de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Ricardo Senna, que também preside o Comitê Estadual da Reserva da Biosfera do Pantanal.



Nesta segunda-feira aconteceu também o Seminário Conhecendo a Reserva da Biosfera, promovido pela Semagro em parceria com a organização WWF Brasil, que trouxe a Campo Grande o fiscal de Meio Ambiente da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), Massimiliano Lombardo; o coordenador geral de Áreas Protegidas do Ministério do Meio Ambiente, André Luís Lima; e o presidente do Conselho Gestor da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, Clayton Lino. O debate foi mediado pelo secretário adjunto Ricardo Senna e da mesa de abertura dos trabalhos participaram também o representante da WWF Brasil, Júlio Cesar Sampaio; Laércio Machado da Souza, do Comitê Deliberativo Federal da Reserva da Biosfera do Pantanal; Osvaldo dos Santos, gerente de Recursos Florestais do Imasul e Marcos Ferreira, representante do Comitê Estadual de Mato Grosso.



Massimiliano Lombardo, da UNESCO



Massimiliano Lombardo, da UNESCO, explicou detalhadamente como funciona uma Reserva da Biosfera. Segundo ele, a iniciativa de se declarar determinado território como Reserva da Biosfera cabe aos governos locais. A UNESCO apenas acata a indicação, após analisar a documentação encaminhada comprovando que se trata de um espaço de interesse ambiental e, sobretudo, onde as comunidades e a atividade econômica estejam perfeitamente integradas com a natureza. É o que acontece no Pantanal, ressaltou Lombardo, onde o homem pantaneiro tem se encarregado da conservação do meio ambiente há séculos.



Sem restrições



O título de Reserva da Biosfera do Pantanal não impõe nenhuma restrição de ocupação do espaço que já não exista na legislação atual, continuou o representante da UNESCO. Na mesma linha argumentou o representante do Ministério do Meio Ambiente, André Luís Lima. Sua explanação mostrou como é constituída a Reserva, desde seu núcleo, formado por unidades de conservação; a zona de amortecimento e a zona de transição, que são os espaços no entorno. No entanto, o assunto levantou muitos questionamentos e, por isso, o Comitê decidiu aprofundar o debate.



Clayton Lino, da Reserva da Mata Atlântica



Clayton Lino citou exemplos de exploração econômica da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica, a primeira do Brasil fundada em 1991, e a maior do mundo atualmente, espalhada por 17 estados da Federação. As comunidades que vivem nessa área desenvolveram uma produção sustentável de recursos naturais da floresta, como erva-mate, palmito, pinhão, frutas, mel, que exibem o selo Mercado Mata Atlântica. A Reserva ainda criou o Selo Empresa Amiga da Mata Atlântica para premiar parcerias que ajudem na conservação da floresta, e o Prêmio Muriqui em reconhecimento ao trabalho de pessoas físicas ou entidades privadas em prol da Mata Atlântica. Muriqui é uma espécie de macaco que vive na região.



Pantanal



Parte em amarelo é a área compreendida pela Reserva do Pantanal



O Pantanal foi declarado Reserva da Biosfera em outubro de 2000, mas a reafirmação do título pela Unesco ocorreu no dia 23 de novembro do ano passado, após a criação dos comitês estaduais e do Conselho Deliberativo Federal. A Reserva da Biosfera Pantanal estende-se por uma área de 251.569 quilômetros quadrados. Em Mato Grosso do Sul ocupa parte de 30 municípios. Abriga uma riquíssima biodiversidade: 3.500 espécies de plantas, 124 espécies de mamíferos, quase 200 espécies de répteis, 464 de aves, 325 de peixes e 1.132 de borboletas.



No Brasil existem ao todo sete Reservas da Biosfera que englobam 1,3 milhão de quilômetros quadrados, ou 15% do território nacional. São elas: a Reserva da Amazônia Central, Reserva da Caatinga, Reserva do Cerrado, Cinturão Verde de São Paulo, Reserva da Mata Atlântica, Reserva do Espinhaço e Reserva do Pantanal. No Mundo são 669 Reservas da Biosfera espalhadas por 120 países.



 



 



http://www.imasul.ms.gov.br/comite-decide-ampliar-debate-sobre-importancia-da-reserva-da-biosfera-do-pantanal/




Categorias